segunda-feira, 7 de agosto de 2017

Caso de Cura de Zumbido L.F.V. Ago2017

quarta-feira, 26 de julho de 2017

XXXI Turma do Curso Teórico Prático Intensivo sobre Zumbido

Caros amigos otorrinos e fonos:

Convidamos você para o XXXI Turma do CURSO TEÓRICO-PRÁTICO INTENSIVO DE ZUMBIDO realizado integralmente no Instituto Ganz Sanchez no dia 21/10/2017.

Resumo: Sempre inovando; este é nosso jeito! Usando a conhecida didática e capacidade de síntese para compartilhar ideias, abordaremos tudo que é relevante para o atendimento de pacientes com zumbido em consultório. Diferente de outros cursos previamente ministrados pela Dra Tanit, este evento terá a participação prática e ativa da plateia em todas as aulas. Para melhor aproveitamento do conteúdo prático, este curso é aplicado a pequenas turmas (30 vagas por curso), de modo informal e com tempo para troca de experiências entre os participantes. Por ser um trabalho de equipe, sugerimos a participação de duplas de otorrinos+fonos para aumentar a probabilidade de implantação do aprendizado nos consultórios.

Organização:  Profa Dra. Tanit Ganz Sanchez (Otorrinolaringologista Livre-Docente pela FMUSP, Diretora-Presidente do Instituto Ganz Sanchez.

Gerência Financeira e Administrativa: Luzia Feitoza e Isabel Gomes

Público alvo: Otorrinolaringologistas e fonoaudiólogos

Data:   Sábado, 21/10/17, das 8h às 18h

Local:   Av. Padre Pereira de Andrade, 353. Bairro: Alto de Pinheiros, São Paulo – SP.
              Ponto de referência: entrada pequena do Parque Villa Lobos

Contato: (11) 3021-5251 ou contato@institutoganzsanchez.com.br

Inscrições: R$ 494,00 (acesso às aulas, coffee-breaks, almoço e certificado). 

Forma de Pagamento:
- Boleto Bancário: favor solicitá-lo através de Telefone: (11) 3021-5251  ou E-mail: contato@institutoganzsanchez.com.br


  
Programa do curso:
Horário
Atividade
08:00h - 08:15h
Recepção dos participantes
08:15h - 08:45h
Apresentação (técnica do palito de fósforo) e discussão de expectativas
08:45h - 10:00h
Bloco 1 – Protocolo de anamnese dirigida com raciocínio lógico: como e por que?
(com demonstração prática)

ü  O que é necessário para todos os casos?
ü  O que é necessário para alguns casos?
ü  O que é necessário para os casos “diferentes”?
10:00h - 10:15h
Discussão
10:15h - 10:30h
Coffee Break
10:30h - 11:45h
Bloco 2 Protocolo de exames complementares e hipóteses diagnósticas comuns: quando, como e por que? (com demonstração prática)
ü  audiometria convencional e a de altas frequências
ü  acufenometria e o limiar mínimo de mascaramento
ü  limiar de desconforto a sons
ü  exames laboratoriais
ü  emissões otoacústicas, BERA e exames de imagem
11:45h - 12:00h
Discussão
12:00h - 13:30h
Almoço no Instituto Ganz Sanchez (www.institutoganzsanchez.com.br)
13:30h - 16:30h
Bloco 3 Protocolo de tratamento aplicado a subgrupos: quais, quando, como e por quê?
ü  “Plano A” e “Plano B”
ü  Aconselhamento otimizado (com demonstração prática)
ü  Medicamentos de A a Z
ü  Mascaramento e/ou habituação?
ü  Antecipando o futuro
16:30h - 16:45h
Coffee Break
16:45h - 17:45h
Bloco 4 Apresentação de casos reais com tratamentos distintos
17:45h - 18:00h
Discussão e encerramento
Aguardamos você! Sua participação certamente fará este curso mais interessante!

Prof. Dra. Tanit Ganz Sanchez

"Epidemia” de zumbido no século XXI: preparando nossos filhos e netos



Há 20 anos, digitar a palavra “tinnitus” no Pubmed fornecia 150 referências (1994). Já em 2012, esse número aumentou para 641, mostrando um crescimento maior que 400% nas publicações científicas. Este é um parâmetro nítido do aumento de interesse sobre o assunto, seja por parte de pesquisadores, universidades, indústrias farmacêuticas e empresas de tecnologia auditiva.
Uma possível justificativa para tal interesse está nas evidências científicas sobre o aumento progressivo de zumbido na população. Afinal, essa prevalência já subiu de 15% (National Institute of Health, 1995) para 25,3% (Shargorodsky, 2010) em apenas 15 anos, tornando-o um problema mais frequente do que a asma, surdez, cegueira ou Alzheimer. E isso já se reflete visivelmente nos consultórios de otorrinolaringologistas de todo o Brasil, haja vista a recente busca por mais informação em cursos e congressos.

Já está comprovado que alterações cocleares, mesmo que mínimas, podem originar zumbido (Hesse et al., 2005; Noreña e Chery-Croze, 2007). Além disso, estudos em adultos normouvintes já demonstraram que a presença do zumbido geralmente se associa a alterações nas emissões otoacústicas (Nieschalk et. al., 1998; Sanchez et. al., 2005; Sanches, 2008; Thabet, 2009). Na prática, quando um adulto tem zumbido, cerca de 90% das vezes já existe alteração de limiar tonal em pelo menos uma frequência sonora na audiometria. Entretanto, em jovens a situação é diferente: eles costumam perceber zumbido antes de notarem qualquer perda auditiva. Portanto, a presença do zumbido sugere fortemente que ele seja um sinal de alerta precoce para futuros problemas e isso deveria acelerar a busca pelo diagnóstico precoce, seja ela feita por otorrinolaringologistas, clínicos, geriatras, pediatras ou hebiatras.

Em 2007, publicamos uma pesquisa como parceria entre as Universidades de São Paulo e de Iowa, que estudou 506 crianças de 5 a 12 anos (Coelho, Sanchez, Tyler, 2007). Dentre elas, 37,7% deles tinham zumbido e 19% se incomodavam com ele. Estes dados surpreendentes nos motivaram a pesquisar o problema em adolescentes, considerando que eles gostam ainda mais das situações atuais de lazer ruidoso. Assim, convidamos 170 adolescentes do Colégio Santa Cruz, uma renomada escola paulistana, para se submeterem a diversos procedimentos, após autorização dos pais, dentro do ambiente escolar. A escolha de uma escola privada foi baseada na hipótese de que seus alunos, pertencentes a famílias de classe média ou alta, teriam liberdade financeira para escolher os hábitos de lazer, o que nos permitiria observar melhor as opções escolhidas por eles.

Inicialmente, os alunos responderam um questionário para avaliar sua autopercepção de sintomas (zumbido, perda auditiva e hipersensibilidade a sons) e a exposição a potenciais fatores de risco (fones de ouvido, baladas/shows e celulares). A seguir, duas otorrinolaringologistas realizaram o exame físico e removeram cerúmen nos casos necessários, garantindo boas condições para a realização dos exames. Posteriormente, duas fonoaudiólogas realizaram, em cabina acústica, a audiometria tonal de 250 a 16000Hz, limiar de desconforto a sons (LDL), emissões otoacústicas e acufenometria (apenas nos casos em que o zumbido estava presente no momento).

Essa pesquisa, realizada com apoio da FAPESP, foi inédita porque o zumbido foi avaliado por dois métodos complementares: o questionário - que toda pesquisa faz - e a acufenometria, usada como critério de rigor para a confirmação da presença do zumbido.

No questionário dos 170 alunos, 93 (54,7%) responderam que têm ou já tiveram zumbido nos últimos 12 meses. Dentre eles, 51,1% o associaram à saída de ambientes com música alta.   Quanto à acufenometria, 49 alunos (28,8% dos 170 avaliados ou 52,6% dos 93 que relataram zumbido pelo questionário) também conseguiram medir a frequência sonora e a sensação de intensidade do zumbido dentro da cabina acústica, de modo reprodutível.  

Independente se considerarmos a resposta do questionário (54,7%) - metodologia semelhante às demais pesquisas - ou a da acufenometria (28,8%), já evidenciamos que a prevalência de zumbido entre adolescentes é maior do que a de outras faixas etárias, como visto anteriormente. Ainda mais interessante foi o fato do zumbido provocar pouco incômodo (média da escala numérica de 0 a 10 = 3,58) nos adolescentes, fazendo com que eles não contassem aos pais nem procurassem ajuda médica. Pensando em termos de “epidemia”, esse parece um terreno fértil para uma “proliferação” do problema, já que esses fatores atrasam o início do tratamento e contribuem para que o zumbido se torne cada vez mais crônico.

Esta geração de jovens tem potencial para viver até os 100 anos. É possível e provável que esses ouvidos com zumbido sejam mais sensíveis a lesões no futuro, por isso devem ser avaliados com mais frequência e mais cuidado, pois poderão ter perda auditiva mais precoce do que outras gerações.

Há 20 anos, era quase unanimidade que o atendimento a um paciente com zumbido evocasse automaticamente no otorrinolaringologista um pensamento parecido com “não há nada que possa ser feito” ou “você precisa aprender a conviver com isso”. Entretanto, a investigação etiológica do zumbido e a definição da conduta terapêutica são atos próprios do otorrinolaringologista, embora o trabalho de equipe interdisciplinar seja uma ferramenta muito valiosa, em especial nos casos difíceis.

Por isso, para os interessados em ter um novo olhar sobre um problema antigo, já temos à disposição:

- um protocolo bem definido de investigação médica e audiológica para determinar as principais etiologias do zumbido e auxiliar na diferenciação dos subgrupos, auxiliando no atendimento do dia a dia;
- um protocolo de “handicap” validado e traduzido para o português, auxiliando como instrumento para pesquisas científicas;
- médicos ou centros com atendimento especializado, às vezes até bastante interdisciplinar, em nível de SUS, convênios e particulares, em várias cidades;
- cursos, painéis, mesas redondas ou plenárias sobre zumbido em todos os grandes congressos de otorrinolaringologia no Brasil, via de regra com salas cheias;
- eventos internacionais de zumbido: o International Tinnitus Seminar, existente desde 1981 e ocorrendo a cada 3 anos; o Tinnitus Research Initiative, existente desde 2006 e ocorrendo anualmente.

Assim, com o conhecimento científico crescente e condições melhores de atendimento, cabe aqui uma reflexão: a frase “zumbido não tem cura” por enquanto é verdadeira no sentido literal da palvara cura. Entretanto, por algum motivo, ela é frequentemente associada a “não ter nada para fazer”, o que não é coerente com as várias opções de tratamento publicadas, com eficácias distintas que provavelmente serão maiores, quando forem aplicadas especificamente a subgrupos de pacientes com zumbido.

Curar-se envolve, via de regra, percorrer um caminho que proporciona 100% de melhora na linha de chegada. Muitas doenças não têm cura definitiva, mas é rotina que os médicos invistam esforços pessoais para amenizar e controlar pacientes com rinite alérgica, polipose nasal, asma, hipertensão, diabetes, etc. Percorrer o caminho do tratamento do zumbido e poder obter melhora parcial, seja de 20%, 50% ou 80%, como se consegue com outros sintomas da Medicina, já poderia ser um fato mais aceito pelos otorrinolaringologistas.

Muitos mistérios ainda precisam ser desvendados e muita coisa ainda precisa ser feita para que o otorrino “abrace” o zumbido com mais naturalidade, assim como se faz com as amigdalites, nódulos de pregas vocais, desvios de septo e perfurações timpânicas.

Os vários fatores que justificam esse aumento sensível de prevalência do zumbido - maior exposição a ruído, a ondas eletromagnéticas, a erros alimentares e a estresses diários - vão continuar presentes em nossas vidas por muitos anos. Então, fica lógico entender porque até crianças e adolescentes começaram a apresentar esse problema. Infelizmente, é provável que nossas próximas gerações de filhos e netos tenham maior probabilidade de precisar de nossa ajuda para diagnóstico, tratamento ou prevenção, o que seria um motivo pessoal a mais para o zumbido entrar de vez na pauta do otorrinolaringologista.


segunda-feira, 10 de julho de 2017

Pesquisa sobre Cura do Zumbido: vamos entender?

Hoje proponho um “brainstorm” coletivo com essa leitura. A Ciência reforça que pesquisas confiáveis sobre tratamento devem seguir um método rígido chamado Ensaio Clínico Randomizado (ECR) para diminuir a chance de erros na interpretação dos resultados. Por exemplo, não basta dar um medicamento para 100 pessoas e ver se ele funciona ou não... é necessário dividir as 100 pessoas em 2 grupos, por sorteio, de modo que metade vai tomar o tal medicamento e metade toma placebo (substância que não faz efeito). Além disso, nem o médico nem o paciente devem saber o que cada um está tomando (apenas uma terceira pessoa sabe de tudo).

Admiro este método rigoroso, mas tenho minhas frustrações com ele. Como o zumbido é cheio de variáveis, parece improvável que um ECR realmente mostre o caminho para a cura. Assim, me atrevi a criar uma pesquisa alternativa e simples: encontrar ex-sofredores de zumbido que se consideram CURADOS, ou seja, fazer o contrário dos outros – aprender com quem JÁ SE CUROU!
 
Incluímos pessoas que tiveram zumbido diariamente por pelo menos 3 meses (de qualquer causa) e já estavam curados há pelo menos 6 meses. EXCLUÍMOS pessoas que não se incomodam com o zumbido, mas ainda o percebem em baixo volume.
 
Já entrevistamos os primeiros 50 pacientes. Aqui vai o resumo dos resultados:
- a idade deles variou de 14 a 89 anos de idade (média de 53,78 anos). Por algum motivo, 72% eram mulheres (não sei explicar, mas adorei essa parte!). A duração do zumbido variou de 3 meses a 40 anos (média de 5,83 anos, ou seja bem crônico!). Você pode imaginar alguém com zumbido por 40 anos e depois se cura? Nenhum pesquisador acreditaria nisso!

- o incômodo que o zumbido causava era tão importante como o de qualquer pessoa. Na escala de 0 a 10 de incômodo, 80% davam nota de 7 a 10 para o zumbido. Vários tinham alterações no sono, na concentração, no equilíbrio emocional ou na vida social.

- 58% tinham zumbido do tipo tom puro (apito, cigarra, grilo etc) e sempre havia outros sintomas junto, sejam eles do próprio sistema auditivo (perda auditiva, ouvido tampado, intolerância a sons ou tontura), ou do sistema somatossensorial (dor de cabeça, no pescoço ou na articulação temporomandibular) ou do sistema digestivo (jejum prolongado, abuso de doces ou cafeína).

- 52% tinham audiometria normal nas frequências de 250 a 8000Hz.
Agora pasmem... o período que essas pessoas já estão curadas variou de 6 meses a 37 anos, com média de quase 10 anos! Além disso, 60% fizeram apenas uma ou duas tentativas de tratamento, o que sugere que existe um subtipo de zumbido que é FÁCIL de curar. Isso é exatamente o que precisamos descobrir: qual é a chave que “abre a porta” do sucesso.

Os tratamentos que os próprios pacientes acharam responsáveis pela cura foram: medicação (42%), técnicas de terapias manuais ((10%) e aparelhos auditivos convencionais (sem gerador de som – 6%). Um número menor de pessoas atribuiu a cura à espiritualidade, ao poder da mente, à placa oclusal, ao aconselhamento,  à dieta, à mudança da cidade para o campo etc.

Agora vem o brainstorm: esses casos se curaram com tratamentos que falharam em pesquisas do tipo ECR (expliquei lá em cima, lembra?). Por isso, acho que a Ciência precisa urgentemente REPENSAR a maneira de planejar e interpretar o ECR, evitando menosprezar tratamentos que não superam o placebo quando aplicados para zumbido em geral. É mais lógico entender que misturar um grupo de pessoas com zumbido pode ser uma falha grave nas pesquisas, por isso, um tratamento que “falha” poderia funcionar melhor se fosse direcionado para subgrupos específicos de zumbido. Esse, SIM, me parece ser o segredo do sucesso!

Depois de entrevistar esses pacientes, naturalmente passei a acreditar ainda mais na cura do zumbido. Curar-se é como alcançar a linha de chegada, ou seja, percorrer 100% da jornada: não é num único pulo, mas aos poucos!

CONCLUSÃO: o estudo dos primeiros 50 pacientes que se curaram evidenciou que a cura do zumbido pode ser obtida por meio de diferentes estratégias e por um período de tempo longo e estável. Pertencer ao sexo feminino e ter um zumbido do tipo tom puro com audiometria normal podem ser fatos relevantes, mas não necessários para a cura.

Este trabalho foi apresentado como convite para a Sessão Presidencial do XII International Tinnitus Seminar e I World Congress of Tinnitus, que foi realizado de 22 a 24 de maio de 2017 em Varsóvia, Polônia.


Se você conhecer alguém que tinha zumbido e não tem mais, escreva para contato@institutoganzsanchez.com.br. Obrigada!

quarta-feira, 5 de julho de 2017

Zumbido no Ouvido e Gravidez

Você que é mamãe já teve ou já ouviu alguma amiga comentar sobre o tal zumbido no ouvido durante a gravidez?
Pois bem, a gente sabe que as alterações hormonais no corpo da mulher grávida, causam mudanças visíveis e bem conhecidas, né?
Mas, um sintoma não tão conhecido assim é o tal zumbido no ouvido, uma percepção de sons que outras pessoas não percebem, como apitos, chiados, entre outros.
É necessário prestar atenção, porque o zumbido pode aparecer nas situações de anemia, que é mais comum durante o segundo trimestre da gestação, ou de hipertensão arterial, que é mais comum no terceiro trimestre.
Também existem causas hereditárias da doença e perda auditiva que começam nessa época, ou podem piorar, caso tenham começado antes da gravidez. Chato isso, né?
“Um exemplo mais conhecido é a otosclerose, uma doença óssea que envolve o estribo, um dos menores ossos do corpo. Por isso, em todas essas situações, sugere-se que a gestante procure por um otorrinolaringologista especializado para identificar o real problema.”alerta a médica

ZUMBIDO NO BRASIL

Olha só, o Instituto Ganz Sanchez estima que só no Brasil há de 34 a 48 milhões. Tanto que um estudo feito com 170 jovens de 11 a 17 anos revelou que 92 dos entrevistados, ou seja, (54,7%) apresentaram zumbido nos ouvidos por causa da exposição ao som alto, viu?
E por fim, 51% dos jovens afetados tiveram o problema depois de usar fone de ouvido por muito tempo.

quarta-feira, 17 de maio de 2017

Mãe... EMOÇÕES, CORAÇÃO e OUVIDOS!


Eu nunca pensei em ter filhos. Achava que o meu amor pelo trabalho e pelo meu companheiro da época já eram suficientes para aquecer totalmente o meu coração.

Resisti bastante para sair da zona de conforto que eu estava, afinal ela tinha sido conquistada com muito esforço.
Mas chegou a hora de tentar, mesmo com muito medo de perder o que eu já tinha por não dar conta de tudo que viria pela frente.

Hoje, mãe de duas filhotas lindas, vejo meu "engano" claramente: se eu achava que conhecia o amor antes disso, eu estava re-don-da-men-te enganada! Depois de ser mãe, passei a me perguntar COMO eu pude pensar um dia em não conhecer esse privilégio? Em que planeta eu estava quando pensava esse absurdo?
Acima de tudo, POR QUE eu tive tanto medo de ter filhos, se eu gosto de desafios? 

Não tenho certeza das respostas, mas mesmo assim, sou MUITO grata ao Universo por ter tido essas duas oportunidades maravilhosas. 

Como especialista em ouvido, quero passar para vocês algumas informações preciosas. Desde o início da gestação, seu filho já pode ser emocionalmente influenciado só porque já tem OUVIDOS funcionantes. Não é legal? 
1) Ele pode ouvir sua voz de mãe feliz porque está grávida. Ouvindo, ele sente...
2) Ele pode ouvir as músicas calmas que você coloca especialmente para ele enquanto passa a mão na própria barriga e fala com ele. Ouvindo, ele sente...
3) Ele pode ouvir as conversas que você tem com o pai sobre como vocês estão esperançosos com a chegada dele e a vida nova. Ouvindo, ele sente...
Mas...
4) Ele também pode ouvir quando você fala coisas que não são as melhores que poderiam sair de sua boca. Ouvindo, ele sente...

Percebeu a importância?

Portanto, dê valor ao fato de ser mãe e cuide bem do que os ouvidos dele vão ouvir de você, dentro ou fora de sua barriga. 

Os ouvidos são muito importantes na nossa vida, desde o comecinho, pois o conteúdo e a forma pela qual os sons chegam gera emoções diversificadas que serão a base do perfil de cada pessoa!
Desejamos um Dia das Mães inesquecível, assim como essa foto de um bebê que abraça a mãe assim que nasce: um verdadeiro privilégio!

quarta-feira, 10 de maio de 2017

Post 5 de 5 - Associação dos medicamentos a outros métodos que podem recuperar a saúde


Olá! Agora vamos falar de outras formas de acelerar a recuperação da sua saúde junto com os medicamento. Todas elas estão perto de você, quer ver?


1) A primeira, e mais importante, pode estar na sua geladeira e na sua despensa: alimentação saudável e hidratação! Em qualquer idade, em qualquer lugar ou em qualquer época do ano, você pode ESCOLHER se alimentar bem! Eu sei que alguns alimentos e bebidas têm um sabor gostoso e te dão prazer de consumir, mas depois que você os engole e deixa de sentir o gosto, infelizmente eles começam a comprometer sua saúde. Aí, o corpo manda a conta mais tarde, por meio de várias doenças que se desenvolvem aos poucos em quem escolhe consumir excesso de doces, refrigerantes, cafeína, gorduras, frituras, álcool, cigarro, etc. Hidratar-se bem com água pura, água de coco ou chás de plantas e flores é igualmente fundamental para a saúde! Então escolha o certo, preencha sua geladeira e sua despensa com produtos saudáveis e aproveite para ser um bom exemplo para sua família e amigos.

2) A segunda, pode estar no quarteirão onde você mora ou até mesmo no seu lar. Atividade física regular! Faz bem para o corpo e para a mente!!! Ahh, você não gosta de puxar peso na academia? Não tem problema... procure uma atividade que te dê prazer: caminhar/correr/pedalar na rua, no parque ou no clube, ou ainda, assistir um vídeo/DVD/blueray de dança ou outros exercícios que goste na sua TV. Se você é da 3ª idade, aproveite ainda mais, pois atividade física específica está super na moda. Pesquisas mostram que o ideal é combinar exercícios aeróbicos (que melhoram seu condicionamento físico, sua parte cardíaca, respiratória, digestiva, cerebral e emocional) com exercícios anaeróbios, como alongamento e musculação (que melhoram sua força, equilíbrio e flexibilidade, evitando o perigo das quedas e fraturas). As desculpas esfarrapadas que os pacientes arrumam sobre não ter tempo são as maiores armadilhas que eles podem fazer para si mesmos. Geralmente, quem diz que não tem tempo para atividade física é porque não gosta ou não está a fim de sair da zona de conforto. Escolha errada!!!

3) A terceira é cuidar MUITO BEM da sua mente e dos seus pensamentos! Existem vários métodos para isso. Tradicionalmente os médicos recomendam alguma forma de terapia psicológica (terapia cognitivo-comportamental, psicanálise, terapia breve etc). Pesquisas recentes também têm comprovado o efeito benéfico da meditação, da yoga e do tai-chi-chuan. A mente é nosso carro-chefe, por ter bons pensamentos e boas atitudes faz muita diferença para a manutenção ou recuperação da saúde.

Viu só? Fala a verdade! Não existe desculpa forte o suficiente para te manter afastado de uma boa saúde, se você realmente quiser ter qualidade de vida. O lado bom de tudo isso que nós aprendemos nesses vídeos é que nós temos OPÇÃO sobre como levar a vida.

Escolha a coisa certa! Seu corpo e sua mente agradecem pelo seu esforço...


Um brinde à sua saúde!

quarta-feira, 19 de abril de 2017

Post 4 de 5 - Cuidados especiais e dicas para o uso adequado e seguro dos medicamentos.

Olá, agora vamos falar sobre tratamento medicamentoso. Isso vale para o medicamento de referência ou o genérico.

Gente, tem medicamento de tudo quanto é tipo, cor, tamanho, indicação e jeito de tomar.
Só para você ter uma ideia:



A. Existem remédios na forma de gotas (para pingar nos olhos, nos ouvidos ou usar com conta-gotas), na forma de xarope ou suspensão, na forma de comprimidos ou cápsulas para engolir, na forma de cremes ou pomadas para passar na pele ou na forma injetável (para aplicar no subcutâneo, no músculo ou na veia).

B. Existem remédios para melhorar o funcionamento lento ou acelerado de qualquer órgão do nosso corpo. Alguns são vendidos na farmácia sem receita e outros, só com receita. É aí que mora um dos perigos...

C. Existem remédios que têm pouca chance de causar efeitos colaterais e outros que têm maior chance, especialmente se forem tomados de modo errado ou misturados com álcool ou com outros remédios que não se combinam.

D. Existem remédios que devem ser usados por dose única ou por tempo curto, pré-definido pelo médico; outros, devem ser usados por tempo longo e indefinido, dependendo do acompanhamento médico.

Reparou que eu estou reforçando a importância da parte médica? Pois é... todo médico tem histórias tristes para contar sobre o uso indevido dos medicamentos. Por isso, é importante fazer a coisa certa!


Quando estiver doente, procure seu médico de confiança! Ele vai lhe ajudar a recuperar a saúde. Saiba que algumas pessoas, inacreditavelmente, saem da consulta médica sem entender direito o que vão tomar, por que vão tomar e por quanto tempo vão tomar. NUNCA faça isso! É seu direito saber detalhes do tratamento medicamentoso e é seu dever perguntar de novo se não tiver entendido bem. 

#cuidamosdasaúde #vemcomagente #naoaautomedicacao #usocorretoderemedios #quandousarantibiotico #melhorespraticasparaasaude #institutoganzsanchez #zumbidonoouvido #dratanitganzsanchez

XXX CURSO TEÓRICO-PRÁTICO INTENSIVO DE ZUMBIDO 
03/06 na Sede do Instituto Ganz Sanchez - São Paulo

Nesta turma, compartilharemos as novidades do:  I Word Tinnitus Congress (maio-Polônia)

Caros amigos otorrinos e fonos, convidamos vocês para o 30ª  Turma do CURSO TEÓRICO-PRÁTICO INTENSIVO SOBRE ZUMBIDO 

Sempre inovando; este é nosso jeito! Usando a conhecida didática e capacidade de síntese para compartilhar ideias, abordaremos tudo que é relevante para o atendimento de pacientes com zumbido em consultório. Diferente de outros cursos previamente ministrados pela Dra Tanit, este evento terá a participação prática e ativa da plateia em todas as aulas. Para melhor aproveitamento do conteúdo prático, este curso é aplicado a pequenas turmas (30 vagas por curso), de modo informal e com tempo para troca de experiências entre os participantes. Por ser um trabalho de equipe, sugerimos a participação de duplas de otorrinos+fonos para aumentar a probabilidade de implantação do aprendizado nos consultórios.

Organização:            Profa Dra. Tanit Ganz Sanchez (Otorrinolaringologista Livre-Docente pela FMUSP, Diretora-Presidente do Instituto Ganz Sanchez 

Gerência Financeira e Administrativa: Luzia Feitoza e Isabel Gomes

Público alvo: Otorrinolaringologistas e fonoaudiólogos

Data:              Sábado, 03/06/2017

Local:             Av. Padre Pereira de Andrade, 353 - Alto de Pinheiros

Contato:        (11) 3021-5251 ou contato@institutoganzsanchez.com.br

Inscrições:     R$ 494,00 (acesso às aulas, coffee-breaks, almoço e certificado). Ficha de Inscrição: acesse aqui.

Forma de Pagamento: 
- Boleto Bancário: favor solicitá-lo através de Telefone: (11) 3021-5251 ou e-mail: contato@institutoganzsanchez.com.br.

Esperamos por você!

segunda-feira, 10 de abril de 2017

Post 3 de 5 – Doenças curtas, doenças looongas e sequelas: como lidar com elas?

Olá! Agora nós vamos falar sobre os problemas mais comuns que tiram a nossa saúde em alguma época da vida.


Tem doença curtinha, que vai ficar com você por uns dias ou semanas e depois vai embora. TODO MUNDO vai ter pelo menos uma dessas! Quem não se lembra de ter ficado mal por causa de catapora, ou caxumba, ou rubéola, ou dor de dente, ou resfriado ou outra coisa? Elas podem causar sintomas desagradáveis, que nos limita e até nos preocupam, mas que não recair com frequência. Nesses casos, os medicamentos nem sempre tratam as doenças, mas podem diminuir o desconforto enquanto o corpo se recupera.

Tem doença loooonga, que vai te acompanhar muitos anos da sua vida, mesmo que você não queira... Por exemplo: diabetes, pressão alta, insuficiência renal ou cardíaca etc. Mesmo que você as controle bem na maior parte do tempo, quando você resolve relaxar ou afrouxar as rédeas desse controle, elas fazem questão de mandar um sinal para você lembrar que elas continuam do seu lado!

Por fim, tem aquelas coisas mais chatas ainda, chamadas de sequelas, que são as cicatrizes de algumas das doenças que nós tivemos. Mesmo que a doença em si seja curta e que nunca mais volte, ela pode deixar uma lembrança desagradável e inesquecível do tempo que ela esteve com você. Por exemplo: a caxumba dura pouco, mas pode deixar uma surdez ou uma esterilidade como sequelas; zika dura pouco, mas pode deixar problemas definitivos no cérebro ou no fígado.

Os medicamentos são opções muito usadas para tratar doenças curtas, longas ou sequelas. Alguns pacientes se dão muito bem com isso, outros nem tanto. Por isso, esse assunto gera muitas dúvidas. Vamos começar com uma delas: vale a pena tomar medicamento genérico?

Primeiro, vamos entender a relação entre o medicamento genérico e o de referência (ou de marca). Um comprimido de genérico deve ser IDÊNTICO ao comprimido do medicamento referência. Portanto, eles devem conter a MEEESMA quantidade grande de princípio ativo (a parte que melhora a doença) e a MEEESMA quantidade mínima de substâncias tóxicas (sim, elas existem e dão os efeitos colaterais).

Os genéricos também devem ser testados cuidadosamente pelo Ministério da Saúde para serem aprovados e comercializados. Eles precisam “passar na prova” na matéria de bioequivalência, para provarem que apresentam o MESSSSMO efeito dos medicamentos de referência.

A única diferença oficial é que o genérico não tem marca, por isso você pode economizar nessa compra. Foi isso que fez os genéricos ficarem tão populares. Então, teoricamente, deveria ser bem seguro usar os genéricos. MAS... a verdade é que devemos tomar muito cuidado com isso e só escolher laboratórios que são fontes confiáveis de medicamentos genéricos. Você deve conhecer histórias sobre maus resultados, né? Eles realmente acontecem por aí e, por isso, dividem a opinião dos próprios médicos: usar ou não usar genérico, eis a questão! Afinal, normalmente compramos remédio para as pessoas mais queridas da nossa vida!

No próximo post, tem mais bate papo sobre saúde e medicação. Não perca!


#cuidamosdasaúde #vemcomagente #naoaautomedicacao #usocorretoderemedios #quandousarantibiotico #melhorespraticasparaasaude #zumbidonoouvido #blitznoouvido #saudeebemestar #tanitganzsanchez #institutoganzsanchez 

segunda-feira, 3 de abril de 2017

Post 2 de 5 - Começando a perder a saúde: e agora?


 

Olá! Agora vamos falar sobre a perda da saúde, que é bem representada pelas doenças. Pensa em qualquer doença que você tenha ou que já tenha tido. Seja lá em qual você pensou, tenho certeza que ela pode provocar:


     

a)      alguns - ou até vários - sintomas desagradáveis nas partes do corpo que perderam     a saúde.

b)      algumas - ou até várias - limitações, algo do tipo “eu não posso isso, eu não posso      aquilo”.

c)     alguns - ou até vários - sentimentos ruins, como preocupação de ser grave ou        piorar, receio que os outros saibam e te discriminem, medo do futuro no trabalho,         irritabilidade por não poder fazer tudo o que gostaria, etc
  Acertei? Então, querer melhorar é o caminho mais natural. Na pressa de melhorar logo,   muita gente vai atrás dos medicamentos por achar que a solução vem mais rápido.
  Essa ideia não está totalmente errada, não! MAAAAS... saiba que os medicamentos podem SIM melhorar as doenças e até salvar vidas, mas eles TAMBÉM podem complicar ou tirar uma vida. Por isso, gente, nunca deixe de fazer a coisa certa em relação aos remédios! A sua saúde realmente está em jogo. Agora eu te convido para uma reflexão. Pense comigo! Antes de usar um remédio ou medicação ou medicamento (sim, esses nomes querem dizer a mesma coisa): 
A.      Você deve entender o que aqueles sintomas estão fazendo ali. Por que eles apareceram? Será que você simplesmente foi vítima (por exemplo: caiu algo na sua cabeça enquanto você passava na rua; colocaram entorpecente na sua bebida enquanto você estava distraído) ou será que você fez ou deixou de fazer alguma coisa (por exemplo: fumou/bebeu/comeu mais do que devia, esqueceu de usar preservativo numa relação sexual temporária, preferiu não se agasalhar num dia frio). Todos os sintomas têm motivo, o problema é que às vezes a gente não entende direito - ou faz de conta que não entende - esse motivo.
 B.      Com a ajuda de seu médico de confiança, você vai entender melhor os motivos dos seus sintomas. Isso se chama investigação médica e sempre vem em primeiro lugar. Com raciocínio lógico, o bom médico junta as pistas, descobre o problema e recoloca o paciente no caminho da recuperação da saúde, sempre que possível. Essa é uma das grandes belezas da Medicina. Vocês já repararam que sou apaixonada pelo assunto, né?
 C.      Remédio só deve vir depois dessa investigação inicial. Mesmo que seu médico sugira que você use um remédio para sua doença, veja o que mais VOCÊ pode fazer para não ter recaídas. Por exemplo: se você tem dor de cabeça, poderia ser porque não bebe tanta água durante o dia como deveria e, talvez, começar a beber mais água poderia lhe ajudar a não ter outras dores de cabeça no futuro?; se sua digestão é meio complicada (mais lenta ou acelerada ou com muita azia), poderia ser porque seu estômago ou intestino têm problemas para digerir doces, cafeína, lactose ou gluten e, talvez, você poderia melhorar se deixasse de comer alguns dos seus alimentos preferidos? se você tem dores nas costas com frequência, poderia ser porque costuma sentar ou dormir em posições ruins e, talvez, você poderia melhorar se mudasse essas posições?
 Viu como tem muita coisa bacana para a gente pensar? No próximo post, tem mais bate papo sobre saúde e medicação. Não perca!#cuidamosdasaúde #vemcomagente #naoaautomedicacao #usocorretoderemedios #quandousarantibiotico #melhorespraticasparaasaude #dratanitganzsanchez #zumbidonoouvido #perdadeaudicao #institutoganzsanchez #blitzdoouvido #novembrolaranja